Chaveiro é procurado pela polícia por ameaçar prefeito de Colatina

1268

O chaveiro Fabiano de Souza foi identificado pela polícia como sendo o suspeito de tentar invadir o apartamento do prefeito Sérgio Meneguelli armado com um facão na manhã desta sexta-feira, 21 em Colatina, noroeste do Espírito Santo.

O delegado-chefe da 15ª Delegacia Regional de Colatina Fabrício Bragatto informou que Fabiano foi indiciado pelo crime de ameaça. O chaveiro está desaparecido. É procurado para depor sobre o caso.

“Uma medida cautelar está sendo pedida hoje ao plantão judicial do feriado forense para que Fabiano não se aproxime do prefeito. A distância e as condições dessa proteção devem ser definidas pelo juiz”, disse. Imagens das câmaras de segurança foram entregues aos peritos como provas. A polícia revela que o chaveiro não voltou para casa depois de ameaçar o prefeito e servidores.

De acordo com a polícia chaveiro não conseguiu agredi-lo em sua residência, indo até a sede da prefeitura. “Ele chegou a cortar cordames dos mastros das bandeiras em frente prefeitura, porém não foi dado queixa de crimes de danos. À Justiça pode decretar a prisão do acusado e render de dois a seis meses de prisão. A pena pode ser transformada em multa ou trabalho comunitário”, detalhou.

Duas bancas de aço, uma do chaveiro e outra de conserto de celulares foram removidas na última quinta-feira, 20 com auxílio de um guincho e aparato policial.

O prefeito de Colatina Sérgio Meneguelli confirmou na tarde desta segunda, 24 as ameaças de morte não só a ele, mas também a secretários municipais e servidores públicos.

“Ficou na frente do meu prédio com um facão na mão. Dizia que ia me matar. Foram os vizinhos que me salvaram. Cumpro a exigência de uma Ação Civil Pública movida pela Promotoria de Justiça. Ocupavam a calçada. Foram dois meses de negociação com eles, sem êxito. Ando sendo criticado por cumprir a lei. Não vou modificar minha rotina de andar de bicicleta na cidade e conversar de perto com a população.

Hoje mesmo vou sair da prefeitura e ir para casa de bicicleta«, frisou.

Fonte: Nilo Tardin

COMPARTILHAR