CPI da Máfia do Guincho vai investigar rotativo de Guarapari

988

A secretária municipal de Fiscalização de Guarapari, Cláudia Martins da Silva, e o gestor da empresa Vista Group Network (VGN), Gerson Pereira, estarão frente-a-frente com os deputados integrantes da CPI da Máfia do Guincho da Assembleia Legislativa na próxima segunda-feira (9). A convocação foi deliberada pelo colegiado na volta às atividades, na última segunda-feira (2).

Cláudia e Gerson terão que prestar esclarecimentos sobre as circunstâncias da manutenção e ampliação do contrato de exploração do estacionamento rotativo na cidade, depois de o sistema ter sido colocado sob suspeição pelo próprio atual prefeito de Guarapari.

“Essa empresa era alvo de críticas no ano passado, inclusive durante a campanha política pelo atual prefeito, antes de se eleger, mas agora eles não apenas mantiveram, como ampliaram as áreas de exploração do estacionamento rotativo na cidade. Em períodos de temporada, o novo decreto municipal prevê cobrança do rotativo até mesmo nos finais de semana. Isso está muito obscuro”, disse o deputado Enivaldo dos Anjos, presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito.

Desde que começou a explorar o rotativo na cidade a VGN foi envolvida em polêmicas, como o não recolhimento aos cofres municipais dos 34% contratuais sobre todo a arrecadação, atraso de salários e demissão de servidores, provocando manifestações pelas ruas de Guarapari.

Em 9 de dezembro de 2016, porém, ainda na gestão anterior, o grupo anunciou o parcelamento da dívida pendente com a administração e a retomada da exploração do rotativo. “A empresa não tem experiência nesse tipo de atividade. Veio lá de Nova Friburgo para ganhar uma licitação cheia de suspeita de irregularidades. E demonstrou não ter capacidade para o tipo de serviço a que se propõe, pois deixou de recolher a parte contratual para o poder público e ficou devendo a servidores. Quem garante que o problema não se repetirá? É estranho o comportamento da administração municipal em relação a esse assunto”, acentuou Enivaldo.

O parlamentar convocou a volta às atividades com foco no estacionamento rotativo de Guarapari. “Desde que ganhou a licitação, a empresa já mudou de dono seis vezes. Isso, por si só, já serve para se mostrar as incertezas sobre essa contratação. Além disso, a escolha dos locais de cobrança do rotativo não foi precedida de audiência pública e consulta à população. Nossa desconfiança é que essa ampliação de cobrança é, possivelmente, fruto de negociação espúria, mantida pela atual administração”, asseverou Enivaldo dos Anjos.

 

COMPARTILHAR