Respeito ao Rio Doce: “Água do Rio Doce envenena o povo”, alerta o FAP

573

A tragédia do Rio Doce contaminado pela onda de lama de rejeitos de minério da Samarco desde novembro de 2015 marcou a passeata ecológica do Fórum Ambiental Permanente (FAP) para lembrar o Dia Mundial do Meio Ambiente, em Colatina noroeste do Espírito Santo.

Ao menos 60 pessoas participaram o protesto. O grupo de ambientalista ocupou parte da pista da Avenida Getúlio Vargas visando chamar atenção para as graves questões ambientais que afetam a região.

Quinze entidades formam o Fórum Ambiental, entre elas a Associação Colatinense de Defesa Ecológica (Acode), OAB/ES, Diocese de Colatina e Gambá (Grupo Ambientalista Bio Atlântica).

A passeata terminou com um abraço simbólico a duas árvores gigantes na Praça Belmiro Teixeira, a praça municipal, Logo após, os ambientalista ocuparam o plenário da Câmara dos Vereadores de Colatina. O representante do FAP professor Abrão Elesbom usou a Tribuna Livre para relatar os problemas ambientais que assolam a humanidade.

“A água do Rio Doce está envenenando nosso povo”, denuncia o advogado Ubirajara Douglas Vianna, o Bira na presidência da Comissão de Meio Ambiente da seccional da OAB de Colatina. “De novembro a abril deste ano 33 exames apontaram de contaminação de alumínio acima do tolerado”, frisou Bira.

“Meio Ambiente é uma questão de saúde pública. Diversas doenças estão relacionadas a poluição da água, do ar do solo”, lembrou o ambientalista e médico Luiz Antônio Murad. Uma faixa exigindo respeito ao Rio Doce encabeçou a passeata dos ambientalistas colatinenses no começo da noite no dia 5 de Junho.

Por: Nilo Tardin

COMPARTILHAR