Rodovia ES 010 tem 102 redutores de velocidade em 60 km de extensão

821

A rodovia ES-010, que vai da Serra até Aracruz, no Norte do Espírito Santo, conta com 102 redutores de velocidade – radar ou quebra-molas – ao longo dos 60 quilômetros de extensão.

Quem mora ou trabalha às margens da estrada acha pouco. Já os viajantes que trafegam pela via reclamam do tempo perdido com as pausas.

O Departamento de Estradas de Rodagem do estado (DER-ES) reconhece que é grande o número de intervenções na via, mas diz que só assim foi possível reduzir o número de acidentes ao longo dos anos.

Para a enfermeira Fernanda dos Santos, que trafega pelo local, a quantidade de redutores atrapalha o fluxo. “No trecho que eu passo, tem 15 quebra-molas. E é um percurso de 20 quilômetros. Então, é um exagero”, falou.

Há também quem reclame da quantidade de semáforos no trecho, que somam quase 30 ao longo do percurso. “Para toda hora. Além de quebra-molas, é sinal também, tem um em cima do outro”, disse um motorista.

Segundo o DER-ES, apesar de ser uma rodovia, a ES-010 tem características de via urbana, com muitas moradias, comércio e escolas.

“Mais do que uma rodovia, essa via, hoje, faz parte de um espaço social, onde há necessidade de ter convivência entre os veículos, pedestres e ciclistas. Por isso, já tem uma condição de via urbana. Daí, a necessidade de conter a velocidade para se evitar acidentes e preservar vidas no trânsito”, falou o diretor geral do DER-ES Enio Bergoli.

O que para alguns parece muito, para outros, ainda não é suficiente. Bergoli disse que são 30 solicitações de lombadas em análise no órgão, atualmente.

“Quem mora em Vitória, vai para Aracruz e não tem relações com as comunidades, tem o desejo de ter uma velocidade média mais alta e reduzir o tempo de viagem. Quem mora ao longo dessas comunidades quer seu bem-estar, porque ali mora, ali trabalha, ali o filho estuda, tem escola, comércio. Portanto, nós temos que conciliar os interesses”, falou o diretor.

Para a comerciante Euzelina Soares, que tem um bar à margem da rodovia, no município de Aracruz, é preciso mais quebra-molas. “Tem é buraco demais. Quebra-molas não tem não”, disse.

Nas comunidades ao longo da rodovia, os pedestres mostraram que pensam mesmo diferente dos motoristas na região.

“Se não tiver quebra-molas aqui, infelizmente, os carros vão correr muito. Pelo alto índice de acidentes, até casos de atropelamento já tivemos na Barra do Sahy e pela quantidade de quebra-molas, atende, sim, a comunidade”, destacou o presidente da associação de moradores da Barra do Sahy Vanderson Pereira Mattos.

 

COMPARTILHAR